Caso Bernardo: Edelvania nega participação do irmão no crime



A assistente social Edelvania Wirganovicz, suspeita pela participação na morte do garoto Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, negou que seu irmão tenha ligações com o crime. Segundo a CBN, a jovem escreveu uma carta inocentando Evandro Wirganovicz. O rapaz foi preso no sábado suspeito de envolvimento na morte do menino. A prisão é de carácter temporário.
Edelvania Wirganovicz é amiga de Graciele Ugulini, madrasta de Bernardo e mulher de Leandro Boldrini, pai do garoto. A assistente social, Graciele e Leandro também estão presos preventivamente por suspeita de envolvimento na morte do menino, ocorrida no dia 4 de abril em Três Passos.
De acordo com o informe divulgado pela Justiça gaúcha, há indícios de participação ou ocultação de cadáver por parte de Evandro. O terreno em que Bernardo foi enterrado seria de difícil escavação, o que exigiria força física e tornaria a participação física de um homem algo verossímil. Também há indícios de que Evandro esteve um ou dois dias antes do crime no local onde o corpo foi encontrado.
O caso
Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, desapareceu no dia 4 de abril, em Três Passos, depois de – segundo a versão da família - dizer ao pai que passaria o fim de semana na casa de um amigo.
O corpo do garoto foi encontrado no dia 14 de abril, em Frederico Westphalen, dentro de um saco plástico e enterrado às margens do rio Mico. Na mesma noite, o pai, o médico Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini, e a assistente social Edelvânia Wirganovicz foram presos pela suspeita de envolvimento no crime.
Segundo a Polícia Civil, o menino foi dopado antes de ser morto, possivelmente com uma injeção letal.
Fonte: Jornal do Brasil
TAG